Viajar deve ser sinônimo de ótimas experiências, mesmo assim há algumas situações em que você vai desejar muito estar em casa, ficar doente é uma delas. Se já é ruim ficar doente em casa imagina em uma viagem! Ficar doente é parte da vida cotidiana, e estar em viagem não o isenta desse fato, especialmente quando a própria viagem o expõe uma nova série de insetos, parasitas e ambientes diversos. Então o grande segredo é agir na prevenção dos fatores, combater ativamente tudo que pode gerar o risco de doenças.

Separamos algumas dicas extremamente importantes para prevenir doenças em viagens, aliás não somente em viagens! Afinal, qualquer processo de prevenção é muito melhor do que um processo de cura.

Vamos às dicas!

Lave suas mãos!

Básico, sim. Lógico, também. Necessário, extremamente. Negligenciado, muitas vezes.

Você deve ouvir isto desde criança, seus pais, tios e avós já devem ter dito à você umas centenas de vezes. O ato de lavar bem as mãos é uma ação chave para evitar qualquer infecção, deve ser um hábito constante em uma viagem e fora dela. Nossas mãos são expostas a milhares de germes e bactérias a cada minuto e nada melhor que a velha dupla água com sabão para resolver isto. Este simples ato pode reduzir drasticamente suas chances de diarreia, vômitos, intoxicação alimentar, gastroenterite, gripe, MRSA ou até mesmo hepatite A.

Muitos estudos já revelaram que simples campanhas de reforço da importância da higienização correta das mãos tiveram enorme impacto no controle de infecções, como  as campanhas realizadas pelos Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, pelo Ministério da Saúde do Brasil e tantos outros países do mundo, afinal lavar as mãos é um hábito necessário em qualquer lugar do mundo.

Nos últimos anos o uso de álcool em gel aumentou muito, o que é bom porque é uma grande ajuda, mas ainda assim ele não substitui totalmente a água com sabão. Sempre que possível utilize água quente, que potencializa o poder de esterilização.

Dica extra: evite tocar em alguns locais com muito contato de pessoas, exemplo maçaneta de portas, corrimão de escadas, bancos públicos, estatuas… se o contato for inevitável  lembre-se de não levar a mão suja a boca ou aos olhos e lave as mãos o mais breve possível.

Beba água engarrafada!

Quando você não pode ter a certeza da pureza da água local ou você está viajando em áreas onde o saneamento é precário, nem pense duas vezes, tome agua engarrafada e sempre confira o lacre, pois um dos golpes mais aplicados em turistas e a venda de garrafas de agua enchidas com agua da torneira.

Mesmo se os habitantes locais bebem sem problemas, seu corpo pode não ter as bactérias certas para protegê-lo de adoecer. Então na dúvida evite água local, isto também vale para o gelo em suas bebidas ou para escovar os dentes. É algo simples e pode evitar muitas doenças.

Dica extra: Existem filtros para purificar a água, tem vários modelos a disposição para compra, alguns até portáteis, um bom investimento para qualquer viajante.

Tenha cuidado com a contaminação dos alimentos!

Contaminação de alimentos é uma das maiores causas de problemas gastrointestinais em viajantes. Se você não for cuidadoso com sua comida em suas viagens, você está potencialmente expondo-se a diarreia, salmonela, giardia, entamoeba, cólera entre tantos outros males.

Sempre dê preferência para alimentos frescos, cozidos completamente e na ausência destas possibilidades vá de alimentos industrializados, eles podem não ser os mais saudáveis mas pelo menos a chance de estarem contaminados é bem menor, lógico sempre verifique a data de validade e a situação da embalagem.

Adoramos comida de rua, e provar comida local é uma experiência muito importante em uma viagem, porém tentamos sempre ficar atentos a pequenos detalhes que possam minimizar a questão de contaminação.

Verifique se tem alguém especifico para receber o dinheiro, se a pessoa que está preparando usa luvas descartáveis e qual o estado desta luva. Se o alimento for cru, o local que ele está armazenado é o adequado? Já fomos em países em que a carne crua ficava a temperatura ambiente ao lado do lixo, então é preciso estar atento a estes detalhes.

Situações para evitar ou ter cuidado redobrado:

  • Saladas que podem ter sido preparadas em água locais não tratada;
  • Frutas e legumes ralados ou descascados, sempre observe a aparência e o local de armazenamento;
  • O alimento que foi deixado de fora (na rua) e exposta por um período de tempo;
  • Alimentos compartilhados, como em buffets;
  • Alimentos mal cozidos.

Você provavelmente não vai evitar completamente uma dor de estômago em suas viagens – especialmente se você estiver viajando a longo prazo – mas se você está ciente das boas práticas de higiene e segui-las, tanto quanto possível, você pode minimizar muito o risco de adoecer.

Respeite o seu estômago!

Pegando o gancho do assunto acima, comer comida local e aprofundar a culinária local é um dos verdadeiros prazeres absolutos de viajar e um que você nunca deve perder, mas é necessário um certo grau de bom senso também, ninguém melhor que você para conhecer seu corpo e seus limites. Saltar diretamente para uma dieta de caril picante ou carne predominantemente vermelha se você não é acostumado, é uma boa maneira de garantir alguma forma de desconforto gastrointestinal.

Intolerâncias alimentares acontecem quando seu intestino não pode digerir corretamente os alimentos que você comeu, ou que você tenha introduzido algo completamente novo e diferente para ele, o que pode irritar o trato digestivo e levar a dor de estômago, cólicas, gases, diarreia, vómitos e azia. Isso geralmente não é grave e vai passar de forma relativamente rápida, apesar de ser muito desconfortável, mas fique atento, procure uma orientação médica caso esteja muito forte/anormal.

O truque para experimentar novos alimentos e nova cozinha é misturá-lo aos poucos, ir com calma. Um exemplo claro para mim é o fato de que a minha dieta normal inclui pouquíssimo leite porque por mais que não tenha intolerância com lactose, leite pela manhã não me faz bem, pois bem eu ignorei isto em uma viagem e o resultado foi muito desconforto, um passeio cancelado e um dia na cama. Respeite a si mesmo.

Se você tiver um estômago sensível, leve isto em consideração e procure comer alimentos familiares ao longo do tempo.

Movimente-se!

Mulher se exercitandoUma das melhores formas para se manter em forma, saudável e lutar contra infecções indesejadas é exercício. Os benefícios do exercício são bem conhecidos e bem documentados: ele melhora a sua saúde geral, o bem-estar e fortalece o sistema imunológico, o que o torna menos suscetíveis à doença. Se você ficar doente, seu corpo é mais capaz de combater a infecção e mais rapidamente resolve-la. Não é infalível é claro, mesmo esportistas ainda ficam doente, mas em geral é mais difícil, além de que o seu corpo vai lidar melhor com a doença.

Se você não ter um estilo de vida saudável antes de iniciar a viagem, use isto como um incentivo para começar! Vá para uma academia, faça uma caminhada, trilhas, nade no mar, ir para uma corrida – o que mais lhe agrade.

Proteja-se contra o sol!

Protetor SolarInsolação e queimaduras solares pode arruinar seriamente uma boa experiência de viagem! Atuais recomendações sobre proteção solar dizem que você deve usar um mínimo de FPS 15 (mínimo mínimo mínimo), embora eu recomendo pelo menos FPS 30 (ideal 50) e uso no rosto FPS 50 (ideal 100).

Além de sempre utilizar protetor solar, você também deve estar bem hidratado, alerta maior se você estiver viajando em um país ou região com um clima quente ou tropical, bem como cobrir-se com roupas soltas e até mesmo um chapéu ou lenço. Sem estes cuidados, a desidratação pode surgir muito rapidamente, e pode levar a condições mais graves, como a exaustão pelo calor e insolação, e até se tornar uma emergência médica.

Uma insolação ou queimaduras solares acontecem mais facilmente do que muitas pessoas imaginam, por isso use protetor solar, utilize bonés e chapéus, e mantenha-se hidratado.

Vacine-se!

Vacina e carteira internacional de vacinaçãoA prevenção é sempre melhor que a cura. Nada melhor para proteger-se do risco de contrair a doença do que estar vacinado contra ela.

Nem todas as vacinas são necessárias para cada indivíduo para cada viagem, isto depende muito de quais vacinas você já tem, qual país ou região que você está visitando, fatores individuais como seu histórico médico pessoal, quanto tempo você vai estar viajando, e o que você vai fazer. É por isso que é essencial que você procure um médico antes de viajar, principalmente para viagens onde o tempo de exposição ao risco será maior.

Para dar-lhe uma compreensão básica dos tipos de vacinas que você precisa, elas muitas vezes são divididas em três categorias distintas:

  • Vacinação de rotina são as que todo mundo normalmente recebe durante a infância e início da vida adulta. A idade e a forma de administração da vacina geralmente variam de país para país. As vacinas mais comuns de rotina são: vacina BCG, a vacina pneumocócica conjugada e vacinas para difteria, tétano e coqueluche (DTP); hepatite B; hepatite A (para grupos de risco); Haemophilus influenza tipo b; rotavírus; sarampo, caxumba e rubéola (MMR); e HPV (para meninas somente, para evitar pré-cânceres cervicais e cânceres).
  • Vacinas recomendadas incluem todas as vacinas que não estão incluídos no calendário de vacinas de rotina do seu próprio país e são recomendadas para viajar para um destino determinado. Estes podem incluir vacinas para hepatite A (se você ainda não tiver), raiva, encefalite japonesa, encefalite do carrapato, cólera, febre tifoide, entre outros.
  • Vacinas necessárias são vacinas necessárias para entrada no país. Muitos países onde a febre amarela está presente vai exigir que você tem a prova de vacinação antes que sejam autorizados e se você estiver indo em qualquer outro lugar depois de viajar para um país onde estas doenças estão presentes, você também terá que mostrar o comprovante de vacinação – conhecido como um certificado internacional de vacinação ou profilaxia (ICVP) – antes da entrada.

É extremamente importante que você esteja com todas as vacinas atualizadas, incluindo os reforços, indiferente de ir viajar ou não. Então é indispensável procurar um órgão de saúde para providenciar as vacinas que faltam.

A Anvisa mantém uma lista de centros de orientação para a saúde do viajante muito útil, você pode acessa-la aqui. Lá você tem acesso a lista completa de locais que aplicam a vacina da febre amarela e que emitem o ICVP no Brasil.

 

Proteja-se contra picadas de mosquito!

MosquitoPicada de mosquito é um pesadelo absoluto para qualquer viajante. Na melhor das hipóteses eles vão apenas irritá-lo com vergões dolorosos e coceira, mas pode piorar pois eles podem transmitir toda uma variedade de doenças, como a febre amarela, dengue, encefalite japonesa e chikungunya, para não mencionar a tão temida malária.

Os mosquitos são um problema em muitas partes do mundo, mas os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e a Organização Mundial de Saúde são excelentes lugares para descobrir onde existem surtos de doenças como a dengue.

Mesmo se você estiver em uma área de baixo risco, ainda é uma boa ideia evitar as picadas dos mosquitos, mesmo que seja só para evitar o desconforto das picadas dolorosas. Então, segue abaixo algumas dicas para se prevenir destes chatinhos:

  • Quartos com ar condicionado são ótimos para minimizar picadas de mosquito, como eles são melhor selados são menos propensos a deixá-los entrar;
  • Se cobrir. Vestir a roupa certa é essencial. Usar roupas leves, de algodão solta que cobre a maior parte da sua pele, especialmente em torno de horários de pico de exposição e locais, por exemplo, perto de água ou no crepúsculo ou a noite, que são horários de pico para os mosquitos da malária para se alimentarem;
  • Dormir sob redes revestidas (mosquuteiros) com repelente quando necessário;
  • Use bobinas anti-mosquito e dispositivos com veneno, onde for necessário;
  • E uma das mais fáceis e eficiente, sempre aplicar uma boa dose de repelente.

É importante lembrar que nenhum desses métodos é completamente infalível. Você pode fazer tudo direito e ainda ser mordido. Mas apostar na prevenção é sempre o melhor caminho.

Faça uma consulta com um profissional de saúde de viagem!

MédicoÉ importante que você discutir os seus planos com um profissional de saúde bem antes de iniciar a sua aventura, ainda mais se for uma longa viagem como uma volta ao mundo. Muitos viajantes, acabam deixando até o último minuto e logicamente pode não dar tempo de fazer tudo que é indicado.

O tempo médio recomendado para ver um profissional de saúde é de 6-8 semanas antes de sair. Mas pessoalmente eu acredito que o ideal seja um pouco mais cedo do que isso, especialmente se você vai precisar de mais do que uma vacinação ou se você tem preocupações específicas de saúde.

No Brasil o Hospital Emilio Ribas possui um dos Núcleos de Medicina do Viajante mais conhecidos.

Contrate um Seguro de Saúde

Este é aquele serviço que é contratado e que ninguém quer utilizar.  A contratação de um seguro de saúde é algo extremante indicado para viagens, em alguns países uma emergência médica pode custar uma fortuna, além de que a garantia de um atendimento médico adequado pode salvar sua vida.

Existem inúmeras agências que ofertam seguro saúde no mercado, além de várias cláusulas específicas de acordo com o tipo de viagem que você vai realizar, exemplo: cláusula que abrange acidentes decorrentes de esportes radicais, então esteja atento a elas.

 

Deixamos aqui as principais dicas para que você tenha uma viagem extraordinária. Caso tenha algo a acrescentar, compartilhe conosco. 😉

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here